O Príncipe (Audiolivro)

Formatos disponíveis
8,99€ I
8,09€ I
-10%
COMPRAR
-10%
8,99€ I
8,09€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I Disponibilidade Imediata

SINOPSE

O Príncipe é uma das mais influentes e importantes obras iniciais da filosofia moderna e da teoria política. Controversa desde a publicação – deu origem ao adjetivo “maquiavélico” –, ao longo dos séculos inspirou diversos governantes e líderes e mantém-se extremamente atual. Hoje, revela-se uma leitura essencial para quem quer entender a natureza e os limites do poder e conhecer os fundamentos do pensamento estratégico em cargos de liderança.

Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

O Príncipe (Audiolivro)
ISBN: 978-989-740-191-6
Edição/reimpressão: 03-2023
Editor: Ideias de Ler
Código: 61000008
Idioma: Português
Páginas: 160
Tipo de Produto: Audiolivro
Tamanho do ficheiro: 98.72 MB
Formato: MP3
Classificação Temática: Audiolivros > Audiolivros em Português > Política > Política em Geral
Nicolau Maquiavel é considerado, por muitos, o pai do pensamento político moderno. Nascido em Florença a 3 de maio de 1469, foi um dos mais relevantes filósofos e políticos italianos do século XV. Emmeadosdadécadade1490, após a expulsão da família Médici do governo da região, tornou-se funcionário ao serviço da República Florentina. Foi nessas funções que fez serviços e viagens diplomáticas, o que lhe permitiu conhecer diferentes formas de exercer a política e o poder. Uma das pessoas que admirou terá sido o filho ilegítimo do Papa Alexandre VI, César Bórgia, um importante militar e estadista, que granjeou poder e fama pela força das armas e, sobretudo, da crueldade, da astúcia e do logro – era tão eficaz a levar à morte os adversários como a criar alianças, desde que favorecessem o seu estatuto. O percurso desta figura histórica terá servido a Maquiavel como principal inspiração para a sua obra mais famosa, O Príncipe, de 1513. Um ano antes, com o regresso dos Médici a Florença, Maquiavel perdera o seu cargo político e caíra em desgraça, tendo mesmo sido preso, torturado e exilado. Com a reconquista da liberdade dedicou-se à literatura, tendo então escrito várias das suas obras mais sonantes, como A Arte da Guerra (1519-1520) ou História de Florença (1520-1525). Faleceu a 22 de junho de 1527, na sua Florença, pouco tempo após apresentar este último livro ao seu patrono, o Papa Clemente VII – o mesmo que patrocinou vários obras-primas da História, como O Juízo Final, de Miguel Ângelo, ou A Transfiguração, de Rafael.
Ver Mais